Imprimir | Fechar Imprimir Portal Mulher

 
Comportamento/Misógino: Relações Amorosas Conturbadas.
Colocado em 15 Maio 2005 s 21:19:32 por Snia Nemi.

Comportamento/Misógino: Relações Amorosas Conturbadas.

Relaes Amorosas Conturbadas
Snia Nemi

Em seu livro Homens que odeiam suas mulheres & mulheres que os amam, cujo subttulo quando amar sofrer e voc no sabe porqu, Susan Forward e Joan Torres, escolhem usar, para descrever tal tipo de homem, a palavra misgino. Misgino uma palavra grega utilizada como referncia a quem odeia mulheres: miso (odiar) e gyne (mulher).

 

--------------------------------------------------------------------------------
Em seu livro Homens que odeiam suas mulheres & mulheres que os amam, cujo subttulo quando amar sofrer e voc no sabe porqu, Susan Forward e Joan Torres, escolhem usar, para descrever tal tipo de homem, a palavra misgino. Misgino uma palavra grega utilizada como referncia a quem odeia mulheres: miso (odiar) e gyne (mulher).

Ao primeiro contato com um misgino, em geral, ele considerado um gentleman. Ele o homem que conquista a mulher de uma forma deliciosamente amorosa e sedutora e passa a ser por ela descrito atravs de uma farta lista de superlativos. Ele to intensamente maravilhoso que fica impossvel para a mulher atribuir a ele qualquer responsabilidade dos problemas da relao quando estes comeam a acontecer.
O contrato relacional velado se define no incio do relacionamento quando o homem vai, aos poucos, verificando at onde pode ir com o seu estilo controlador e manipulador. medida que a mulher evita confront-lo tentando ser boa para preservar a relao, ela est estabelecendo um tpico contratual que configura o contexto para a atuao do misgino, ao tempo em que ela vai enfraquecendo. Como diz Susan Foward: ela contrata amor e ele controle.

Esse controle se evidencia nas armas abusivas em que as palavras se tornam, atravs das quais as crticas e ataques so feitos, at alcanar o controle da sexualidade e o controle financeiro. Mesmo que a mulher tente agrad-lo, tudo que ela faz est errado e ele a convence de que ela culpada.

Quando as exploses repentinas do homem comeam a acontecer, mais elas so sentidas como ameaas veladas pela mulher que fica perplexa e cada vez confusa com o que d errado. Ela passa a pisar em ovos, medindo as palavras, para falar com ele. A forma sutil como ele a desqualifica impede que ela possa perceber que isso que mina a sua auto estima. Ela se torna irreconhecvel, principalmente se antes era uma mulher independente financeira e emocionalmente, uma vez que definha.

Os argumentos utilizados pelo homem parecem to lgicos e to cheios de interesse pelo bem da relao que, a mulher vai, cada vez mais afundando no seu pntano emocional. Tudo que ele quer que ela demonstre seu amor por ele, sendo compreensiva e conhecendo-o to bem que seja capaz de atender suas necessidades, sem nunca se aborrecer com ele. Com o tempo, a relao parece uma gangorra onde de um lado ele estoura e do outro se arrepende, pede desculpas e se torna o homem maravilhoso do incio do relacionamento.

Apesar da descrio devastadora do misgino, ele no tem conscincia do seu funcionamento e sequer se d conta da dor do outro. A construo de tal dinmica pessoal pode ser entendida a partir da sua histria, na famlia de origem, quando vivenciou sofrimento psicolgico o qual no poderia evitar.

O misgino filho de uma relao conturbada onde aprendeu, observando seus pais, que a nica maneira de controlar a mulher oprimindo-a. Ao lado disso, ele pode ter sentido que a sua me no poderia existir sem ele, j que seu pai a maltratava; ou ainda, ele pode ter tido uma me que o oprimiu ou rejeitou, ao lado de um pai passivo.

Qualquer que tenha sido a sua histria, o misgino est na fase adulta atuando a sua dor de criana ferida, buscando desesperadamente ser amado ainda que de uma forma equivocada.

No caso da mulher que escolhe formar uma relao com um misgino possvel que ela tenha sido infantilizada pela sua famlia de origem e busque no seu parceiro o apoio, suporte e amor que no recebeu do seu pai, ou talvez ela teve uma me que desqualificava o pai; ela pode tambm ter vindo de uma famlia to catica que desde cedo ela aprendeu que toda relao problemtica e que ela como mulher no tem chance.

Ainda que o misgino seja visto como algoz e a mulher como vitima, esta tambm contribui para que tal padro relacional se implemente e perdure. A mulher instiga o misgino a atuar na medida que ela no estabelece limites claros, diferenciando-se dele e ocupando seu prprio espao na vida e na relao.

O homem e a mulher nessa relao esto interagindo dentro de seus prprios papis; da mesma forma que um crculo no tem comeo nem fim, a relao se desenvolve sem que se possa indicar um culpado. Um precisa do outro para continuar com o padro, mas para sair dele um dos dois precisa funcionar de uma forma nova.
Uma mulher que sofre numa relao como essa pode: (1) manter-se submissa para preservar seu homem, (2) separar-se, ou (3) construir uma nova relao com o mesmo homem.

Aquelas que escolhem a terceira opo tero que resgatar sua auto estima, assumir o seu lugar no mundo e na relao, estabelecer limites claros e ser firme ao se posicionar diante do seu parceiro. Ela provavelmente precisar de suporte teraputico at que se tenha fortalecido. possvel que, medida que ela conquiste seu objetivo, o seu misgino desista do lugar de algoz para ficar ao seu lado ou desista da relao. Se ela sente que o ama, precisar amar a si mesma tambm para ter coragem de correr o risco de perd-lo.

De qualquer forma dificilmente um misgino busca terapia e, se assim o faz, to logo se fortalece interrompe o seu processo. Parece que o sofrimento do seu mundo interno tamanho que ele no suporta ter que contact-lo atravs da anlise da sua dinmica e efeito do seu comportamento no outro; para tanto ele teria que admitir que co-construtor das dificuldades da sua relao e que , na verdade, um homem sedento de amor. Ele teria que admitir que o nico responsvel pelo seu auto preenchimento,
Se voc, ao terminar de ler esse material, acredita que pode estar se relacionando com um misgino, responda o questionrio a seguir. Se suas dvidas se confirmarem busque ajuda teraputica, pois, sozinha fica pesado demais para voc dar conta de tudo que precisar fazer para cuidar de si mesma.
 
 

 

   Imprimir | Fechar Imprimir Portal Mulher

 © 2002-2014 - Contactar Proprietrio do Site - matheusmelo (a) portalmulher.net - Desenhado com ASP-Nuke community v1.4 SP4